Bg Site 2.png
Quem somo.png

A SETE

A SETE é uma associação sem fins lucrativos criada aos 13 de agosto de 1994 cuja missão é fazer com que pessoas e comunidades excluídas de direitos se tornem protagonistas na transformação de sua própria realidade. Tem atuado prioritariamente no Setor Madre Germana II em Goiânia, promovendo ações nas áreas da educação, esporte, artes, profissionalização, proteção à maternidade e à infância, assistência material, medicina preventiva, saúde bucal, prevenção às drogas, ressocialização de jovens e adultos infratores e educação ambiental.

Agrega indivíduos sem qualquer distinção de caráter religioso, étnico-racial, político-partidário, etário, socioeconômico, de gênero ou de orientação sexual, pois suas ações estão fundamentadas em uma matriz axiológica que contempla valores universais, tais como o respeito, a bondade, a justiça e a dignidade da pessoa humana. Para nós, antes de tudo, as pessoas são cidadãs e detentoras de direitos, muitos dos quais, embora insculpidos em nossa Constituição Federal, tem sido cotidianamente desrespeitados pelas autoridades públicas.

_DSC9244.jpg
1/7

Nossa vocação, enquanto organização da sociedade civil, portanto, não é a de praticar assistencialismo, tornando os sujeitos objetos de nossa ação, muito pelo contrário: é, sim, a de auxiliar pessoas e comunidade para que elas operem a transformação social por si mesmas, na defesa de nossa Carta Magna de 1988, na busca por uma sociedade mais justa, isonômica e fraterna.

É assim que temos atuado ao longo de mais de 20 anos, buscando a transformação social de milhares de homens e mulheres, meninas e meninos, da capital de Goiás, articulando o protagonismo local com o apoio da sociedade civil, órgãos públicos e empresas com responsabilidade social. Ao longo deste tempo de atuação, temos alguns resultados promissores, que nos estimulam o trabalho e a esperança em dias melhores!

_DSC9329.jpg

MISSÃO

Fazer com que pessoas e comunidades excluídas de direitos se tornem protagonistas na transformação de sua própria realidade.

VISÃO

Conceber, implantar e exportar para todo o país, metodologias inovadoras de educação e assistência social nas periferias e comunidades excluídas, influenciando as políticas públicas e nos tornando, nesta área, uma das sete principais OSCs do Brasil

VALORES

Amorosidade;

Diálogo;

Protagonismo;

Trabalho;

Esperança;

Equidade.

Amorosidade - Todas as nossas relações são baseadas na estima, no querer bem, na amizade legítima, no afeto. Da amorosidade, abre-se a possibilidade do diálogo, cria-se campo seguro para o exercício do protagonismo, ganha-se estímulo para o trabalho e, com ele, abre-se o horizonte da esperança por meio da equidade!

Diálogo - É comunicação. É encontro. Mas também pode ser desencontro... e isso não é problema. É crescimento! Acreditamos na importância da escuta ativa, da empatia em entender o outro e respeitar o seu lugar, mas ao mesmo tempo na assunção da sua própria voz

 

Protagonismo - Acreditamos na força fundamental que cada um tem dentro de si para tomar as rédeas do seu destino. Isto não significa uma independência total uns dos outros, pois sempre dependeremos dos outros para alguma coisa. No entanto, todos somos plenos, capazes e livres para agir, dentro das nossas possibilidades, tendo sempre algo a contribuir para os grupos do qual fazemos parte.

Trabalho - A força do trabalho é uma grande verdade para nós! Não basta talento, pois como diria Thomas Edison, “talento é 1% inspiração e 99% transpiração”. Somente a partir de esforço árduo, trabalho duro e força de vontade, é possível vencermos os desafios interindividuais e sociais que marcam a nossa presença no mundo.

 

Esperança - Sonhar, acreditar num futuro melhor, elaborar projetos de vida: que seríamos sem essa força? Acreditamos, no entanto, tal como Cortella, que é preciso ter esperança, mas ter “esperança do verbo esperançar e não do verbo esperar”, fazendo desde já por onde, para colher os frutos dos nossos projetos.

 

Equidade - O Brasil é um país desigual, que nega direitos básicos à boa parte de seu povo. Pensamos, tal como Aristóteles, que “devemos tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais na medida de sua desigualdade”. Neste sentido, é urgente agirmos em prol daqueles que mais precisam

AMOROSIDADE; DIÁLOGO; PROTAGONISMO; TRABALHO; ESPERANÇA E EQUIDADE